28/12/2018

Carros autônomos tentam ganhar a confiança do consumidor

Avanços da indústria não são suficientes para que os carros ganhem as ruas: antes, é preciso ter quem queira comprá-los

 

Enquanto indústria e tecnologia caminham juntas para acelerar a adoção de veículos autônomos, um obstáculo insiste em ficar no meio do caminho: o consumidor. Ainda é grande a parcela de pessoas que afirma ter receio de se locomover em um carro comandado por um computador de bordo. A boa notícia é que o percentual de desconfiados vem caindo ano após ano, a uma velocidade animadora para montadoras e desenvolvedores. A edição deste ano do Global Automotive Consumer Study (Estudo do Consumidor Automotivo Global, em tradução livre), lançado pela consultoria Deloitte, indica que vem caindo o número de condutores que não confiam em veículos que se movem sozinhos. No Brasil, o índice foi de 54%, no ano passado, para 25% neste ano, taxa que faz do consumidor brasileiro um dos mais dispostos a migrar para a nova tecnologia, atrás apenas dos mexicanos. Já os japoneses são os mais resistentes: dos 79% que não confiavam nos autônomos no ano passado, 57% mantêm os pés atrás (veja quadro).