03/01/2019

Espaços Compartilhados São Tendência Mundial

Integração de pessoas e veículos melhora a qualidade dos espaços públicos

Imagine vias sem qualquer tipo de sinalização e desnível entre calçada e asfalto, fazendo com que carros, pedestres e ciclistas circulem livremente e sem faixas determinadas. A ideia pode soar absurda para alguns, mas já existe e tem até mesmo um nome: são os chamados espaços compartilhados (shared spaces), assunto que tem ganhado cada vez mais o interesse de grandes cidades ao redor do mundo.

O objetivo é tornar o trânsito entre veículos e pessoas mais democrático e integrado, incentivando uma convivência mais saudável e pondo fim ao domínio do carro. Para isso, ruas e calçadas são unificadas, e as vias passam a não ter sinalização, nem mesmo semáforos e limites de velocidade. Segundo um dos principais nomes por trás do projeto, o engenheiro holandês Hans Monderman, espaços livres de regulações encorajam comportamentos mais responsáveis de cada usuário. Isso porque a atenção com os pedestres e ciclistas na via leva os motoristas a reduzirem a velocidade e ter mais cautela, diminuindo o número de acidentes. 

Cidades como Oosterwolde, na Holanda, já viram de perto os benefícios da iniciativa. Idealizada por Monderman, a obra da prefeitura transformou uma complexa junção de cinco vias em uma praça pública, onde todos os usuários circulam sem preferência. Menos incidentes, maior interação entre os moradores, novos pontos de encontro e lazer e aumento do consumo foram algumas das vantagens notadas pela população.

Mas se engana quem pensa que o projeto de urbanismo foi pensado apenas para pequenas cidades. No Brasil, capitais como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Fortaleza estão timidamente começando a aderir à ideia. Em Londres, na Inglaterra, a extensa avenida Exhibition Road recebeu em 2012 intervenções para tornar a convivência entre carros e pessoas possível. O número de acidentes foi reduzido em 60%, e o acesso às diversas instituições culturais da via melhorou consideravelmente, tornando o local um forte atrativo turístico e comercial.

O incentivo ao uso misto do solo, combinando comércio, lazer e serviços, garante resultados ainda mais favoráveis. Espalhados pela cidade, eles não só ativam e diversificam os espaços, atraindo os pedestres, como também possibilitam deslocamentos mais curtos e motivam viagens a pé ou de bicicleta. Um desenho urbano favorável, com vias largas e revestidas por materiais diferenciados, junto a áreas verdes e locais de descanso, da mesma forma torna os trechos mais seguros e atraentes.

Apesar de garantir resultados positivos, o espaço compartilhado também enfrenta desafios. Em todas as cidades onde foi inserido, ocorreram extensos debates com a comunidade e fortes campanhas de conscientização e educação no trânsito. Afinal, para o sucesso da iniciativa é necessária, além de políticas públicas, a participação colaborativa dos usuários, para que todos compreendam suas responsabilidades e prezem pela segurança dos demais.